Corações e cardiologistas de Jaime

A casa de máquinas é considerada o coração do barco. Se ela parar, o empurrador para também. EMI_5577

Chefe das casas de máquina Fernando Lima. Na hierarquia do barco, ele fica abaixo somente do comandante. EMI_5495EMI_5563  EMI_5553 EMI_5548 EMI_5535 EMI_5529 EMI_5527EMI_5518  EMI_5558

Heber Alencar, Fernando Lima, Sebastião Belé, Fernando de Moraes e Luiz Fernando Paiva, os ‘cardiologistas’ do Jaime Ribeiro

EMI_5516 EMI_5506

O barco não navega sem a casa de máquinas. Mas a peça fundamental é o cozinheiro, ainda mais do que o comandante.

EMI_5593

Anúncios

Décimo dia: a chegada ao porto de Itacoatiara

A ansiedade da tripulação na noite anterior ficou mais clara quando a notícia de que o velho Jaime Ribeiro já navegava por águas de Itacoatiara. Não que os marinheiros já não soubessem disso pela experiência de vida. Me lembro que batendo um papo com um deles, ao lado de fora da embarcação, enquanto fumávamos um cigarrinho de palha, ele confessou. “Essa noite são poucos os que dormem”. Nesse momento passávamos por Borba, um vilarejo de luzes coloridas à beira do Madeira que tinha uma igreja de 4 entradas, 8 torres e uma imagem de São Benedito de mais de 7 metros de altura.

IMG_0955

A maioria dos marinheiros era de Itacoatiara e quase todos sairiam de folga nos próximos dias. “Isso mais parece uma fuga em massa do que uma troca de turno”, brincou o comandante Paulo ao ver a escala de quem saia e quem entrava. Tinha gente que já estava navegando por mais de 30 dias.

Era 8h30 da manhã quando o empurrador começou a manobra para atracar. Já estávamos nas águas do gigante rio Amazonas desde a hora em que o sol tinha se levantado. As malas já enchiam o convés principal. Chovia bastante, mas o calor era constante. Na proa do comboio um grupo de marinheiros já se posicionava para receber as cordas dos funcionários do porto e amarrar as barcaças. Estava chegando ao final o trabalho daquela turma. Assim que o comboio está bem preso, eles desfazem a amarração e não são mais responsáveis por aquelas 20 barcaças cheias de soja.

EMI_5667 EMI_5669 EMI_5676

Conhecida pelo seu enorme porto fluvial, Itacoatiara, é a terceira cidade mais populosa do Amazonas e sua economia gira em torno do porto. O nome, de origem indígena, significa ‘pedra pintada’, graças as inscrições em algumas pedras no rio Urubu, próximo à cidade.

Desembarcamos e fomos direto para o porto flutuante. Basicamente é uma base, no rio Amazonas, onde as barcaças de soja são descarregadas, seja diretamente para um navio transatlântico, se não tiver chovendo, ou para um galpão.

EMI_5729 EMI_5793 EMI_5797 EMI_5856 EMI_5952

Já em terra firme, passando pelo jardim da empresa que administra o porto, me deparei com a cena abaixo. Olhei para os lados e, discretamente, troquei de lente. Meti a luz, e com cautela, atravessei um arbusto que impedia que eu fizesse a foto. Tinham algumas flores que não queria pisar. Ao meu lado o gerente operacional me observava com olhos de “não faça isso, por favor”.

EMI_5982

Ainda sem jeito pedi para ele se eu poderia passar de uma última barreira de plantas. Sorrindo me respondeu: “poxa, você não fotografou nenhuma onça a viagem toda e agora quer fotografar a estatua no nosso jardim?”

Respondi que sim com um sorriso amarelo como a pele da felina.

Partimos para Manaus, 288 km de Itacoatiara.

Nono dia: vida dentro do Jaime

A lataria da embarcação tem que estar sempre reluzente. A limpeza é um dos trabalhos obrigatorios à partir da segunda metade da viagem. Um grupo de mais de 10 homens juntos por mais de 30 dias não significa de maneira alguma sujeita ou caos.

IMG_0874

IMG_0875

IMG_0876IMG_0879IMG_0880

IMG_0884

IMG_0885

IMG_0886

IMG_0887

IMG_0889

Aqui o trabalho é basicamente dividido em 5 partes: comando, cozinha, maquinário, faxina e observação do comboio. Hoje foi feita a faxina. “Temos que entregar o empurrador limpo para a próxima equipe que vai embarcar em Itacoatiara”, explica Luciano Oliveira, marinheiro há apenas 60 dias.

EMI_5151

EMI_5185 EMI_5157

EMI_5196 EMI_5218

Durante nossa descida grande parte do tempo ficamos sem sinal de celular. A única forma de comunicação além do radio é a televisão. Outro dia estávamos assistindo jornal e a TV perdeu a sintonia. Na mesma hora alguém veio e puxou uma corda que vinha da porta e o sinal voltou ainda melhor. Com o balançar do barco e a mudança de sentido é comum a parabólica, presa no convés superior, se deslocar. Para marinheiro de primeira viagem, como eu, acabaria ali a minha felicidade em frente a telinha. Mas não. Já conhecido entre outros marinheiros, a gambiara é um trabalho de deixar qualquer técnico de TV a cabo com inveja. O ‘gato’ é formado por roldanas e uma longa corda que passa em volta da antena e, conforme eles puxam-a, ela gira a antena. É tiro e queda.

Há duas noites eu era o mais próximo da corda suja quando a TV começou a chiar. Olharam para mim e eu, confiante no que já tinha visto, tomei a frente. Perfeito. O que estava com chiado, agora perdeu totalmente o sinal. Riram de mim.

IMG_0896

A hora que passa a novela ‘O Rei do Gado’, quem estiver de folga ou passando pelo convés principal, onde sentamos para comer, descola um espaço e prega os olhos na televisão.

EMI_5571

Além da televisão a outra coisa que deixa a tripulação maluca é quando a embarcação passa em frente a algum vilarejo onde tem sinal de celular. De um lado se ouve “domingo o pai vai te levar no parque”, do outro, “saudades de você também meu amor”. Hoje, passamos em frente a Novo Aripuarã por volta do meio dia. Não tinha um ao meu redor que não já estava pronto com o aparelhinho nas mãos. “Aqui é só sinal de telefone, não tem internet. Anota no papel seu facebook que hoje de madrugada, quando passarmos por Nova Olinda do Norte, te mando o convite. Amanhã cedo, quando você acordar vai estar lá”.

IMG_0939 IMG_0942 IMG_0941

IMG_0943 IMG_0944 IMG_0946

O coração mecânico da embarcação bate 24 horas por dia sem parar um minuto. O empurrador tem 3 hélices com mais de dois metros de altura cada. Os responsáveis pelos ‘batimentos cardíacos’ dela são cinco marinheiros que se revezam a cada 3 horas para tomar conta do motor. “Aqui não tem reserva, todos nós somos titulares”, brinca Heverton, condutor motorista.

Oitavo dia: dia-a-dia no velho Jaime Ribeiro

Jaime Ribeiro não tem seus motores desligados sequer um minuto. A cada 4 horas muda o “piloto” e a cada 3 o responsável pela casa de máquinas. Eles representam os extremos do barco. Cabine de comando é refrescada com ar condicionado e frigobar e tem visão plena do rio. Na casa de máquinas a temperatura pode chegar até 50 graus Celsius. No comando é possível conversar tranquilamente, lá em baixo, nos porões, é obrigatório o uso de capacete e protetor de ouvido. A distância entre os dois ambientes é de exatamente 6 andares ligados por 66 degraus.

EMI_5169 copy

EMI_5164 copy

O comandante Paulo Menezes, já completou seus 40 anos navegando pelos rio do Brasil e da América do Sul. Na frente do Jaime Ribeiro está desde 2007.

EMI_5304

Marcada para as 16 horas nossa conversa, Seu Paulo, como é chamado o amazonense de Manacapuru, nos recebeu e contou um pouco da sua história. “Eu já recebi convite dos hermanitos para trabalhar na Argentina, no Rio da Prata, na Colômbia. Essas horas daqui não saio mais. Como posso deixar a família? Se eu fosse jovem nem estaria mais aqui. Lá eu ganharia em dólar”, conta com sua voz alta e roca.

Confira o vídeo da entrevista com o comandante no link abaixo.

http://revistagloborural.globo.com/Colunas/caminhos-da-safra/noticia/2015/04/caminhos-da-safra-navegacao-pelo-rio-madeira.html

Depois de conversamos com Seu Paulo, ele nos liberou uma voadeira, barco de alumínio com motor de polpa, para fazermos algumas imagens com um outro ponto de vista. Aproveitei para brincar um pouco com a Gopro que peguei emprestado.

Claro que fotos não podiam faltar. O Rio Madeira foi batizado assim pelo fato dele ainda ser geologicamente jovem. No período de cheia a água sobe e destrói parte de sua margem. Como ela ainda nao é forte e nao está “acostumada” a isso galhos e ate arvores inteiras acabam descendo o rio. No Amazonas, por exemplo, não acontece isso porque ele já é um senhor. O Madeira, no mundo, um dos que mais ‘sofrem’ com isso.

EMI_54677

EMI_5447

Sétimo dia: primeira noite de marinheiro de primeira viagem

Porto Velho ainda estava escura quando entramos no taxi para o porto. Uma curiosidade, se é assim que posso dizer, é o fato da cidade ser extremamente escura. Percebi que nas ruas apenas um lado da via tem iluminação pública. “Aqui as pessoas não ligam para isso”, comentou o taxista quando eu perguntei. Respondi que eu achava que na verdade quem não ligava para isso era o prefeito e não a população. Ele pensou por alguns segundos e respondeu: “acho que é isso mesmo. Sem vergonha”. Achei mesmo gozado a população não ligar para isso.

IMG_0948 IMG_0947

Chegamos no porto no horário marcado, 6 da manhã. Pegamos uma carona em um outro empurrador para chegarmos naquele que viajaríamos. Jaime Ribeiro está atracado do outro lado do Rio Madeira, só esperando as últimas 3 barcaças serem carregadas e anexadas. Como dito anteriormente, cada uma delas demora em média 3 horas para completar, ou seja, atrasos à vista. Choveu a noite passada toda. Assim como o empurrador Sabino Pissollo, Jaime Ribeiro tem capacidade para empurrar, rio abaixo ou rio acima, um comboio de 25 barcaças, total de 50 mil toneladas, mas ele só navega com 20, por ordem na Marinha. O comboio que embarcaremos é o segundo maior do mundo, perdendo apenas para os americanos do rio Mississipi.

Jaime Ribeiro foi genro de André Maggi, proprietário da empresa Amaggi.

IMG_0949

Visto de longe o comboio é muito grande. Visto de perto, ele se torna um monstro.

EMI_4944

Conforme as barcaças vão chegando uma equipe do porto vai fazendo a amarração em X, prendendo-as com cabos de aço da grossura de uma bolinha de golf. Aqui, nesse empurrador com 20 barcaças, é usado mais de um quilômetro de cabo. Os homens trabalham duro em turno de 7 horas. O trabalho nunca para.

EMI_4958 EMI_4992 EMI_4965 EMI_4968 EMI_4973

Com quase 12 horas de atraso finalmente o empurrador está pronto para descer as 605 milhas náuticas, equivalente a 1.121 quilômetros. Uma vez tudo pronto, o reboque auxilia na manobra e começa a viagem de quase 3 dias rio abaixo.

Com poucas horas de navegação a noite cai e o comando começa a ser feito por radar e carta náutica digital. Cada um em uma tela. Quando elas não são suficientes, o comandante usa o farol que mais parece a luz do Batman iluminando a beira do rio.

EMI_5085 EMI_5112

A primeira noite de marinheiro de primeira viagem chegou.

Sexto dia: a chegada da soja em Porto Velho

Tínhamos entrevista e visita marcada para a tarde de hoje em Porto Velho, ou seja, tínhamos que chegar até a hora do almoço. Deu tempo. Como sempre, partimos cedo.

IMG_0811

Ali nos despedimos de Tadeu, nosso motorista que gosta de moda de viola e reggae. O único problema é que quando toca Bob Marley ele não enxerga mais as lombadas. Vai saber. Fiquei preocupado e o aconselhei a ouvir mais Tonico e Tinoco. Aliás lhe entreguei um USB cheio delas. Rodrigo não o verá mais, eu o verei semana que vem quando faremos o segundo trecho do trabalho. Subiremos de Cuiabá até Santarém, mais de 1700km estradão à fora. Aja moda de viola.

Fomos deixar nossas malas em um hotel que Rodrigo conhecia. O hall do hotel era grande e vazio. No fundo um recepcionista afogado pelo balcão não nos viu entrar. Larguei minha mochila no chão para fazer uma foto do cenário. Quando me dei conta, um “mordomo fantasma, vestido de cinza, já tinha carregado minhas roupas.IMG_0818

IMG_0820

Fichas preenchidas, malas no elevador descobrimos que o hotel não tinha internet. Corremos para o vizinho.

Durante a tarde conheceríamos o Porto Público de Porto Velho. Passamos o dia seguindo o gerente do lugar. É estranho, mas ele parecia o filho do Milton Neves com o Datena. Aquele tipo meio toro forte de cabelos grisalhos, imponente. Pior foi ele falando o que eu tinha que fotografar. Imagine como nós fotógrafos adoramos isso. Sem contar que ele falava no celular dirigindo uma caminhonete cabine dupla branca a 80km/h dentro da cidade. Vai saber, deve ser o rei do barco. Cada pé de café seu ele amarra um barco com uma boiada e ainda sobra para a invernada.

No porto, conhecemos como é feita a descarga da soja e em seguida, como as barcaças são carregadas. Aqui fechamos a primeira etapa da nossa viagem que começou em Campo Novo de Parecis e Sapezal, região oeste do Mato Grosso e termina agora no porto de Porto Velho, onde a carga de soja sobe de barco via Rio Madeira até Itacoatiara. Lá os transatlânticos levarão a soja para a Europa e Ásia.

O sol nesse dia, não muito diferente dos outros, estava castigando a equipe. Eu e o Rodrigo na beira do Madeira.

EMI_4788

O esquema de descarga dos caminhões e carga das barcaças é simples. Depois de fazer fila e esperar, os caminhões passam pela primeira parte do processo. Ali são recolhidas amostras da soja para analise para ver se o mesmo produto que saiu do produtor chegou ao destino final. Pode acontecer da soja ser trocada, alterada ou até misturada estrada a fora.

EMI_4483

Depois de feita a analise o caminhão vai para o tombador. É a parte mais impressionante. Com a orientação dos operários do porto, o carreteiro estaciona o caminhão em uma esteira que será levantada em forma de modo a formar uma espécie de rampa. A cabine do caminhão chega a ficar uns 30 metros de altura, enquanto que a traseira quase encosta no chão. Assim os grão são todos despejados.

EMI_4691

EMI_4719O que cai no chão é varrido e juntado ao restante.

EMI_4646

EMI_4669Seguindo por esteiras a soja é levada até as barcaças, espécie de container flutuante. Cada uma delas, leva até 2 mil toneladas, o equivalente a 50 caminhões bi-trem. Segundo o pessoal do porto um compartimento desse demora em torno de 3 horas para ser carregado. Isso quando não chove e o trabalho tem que ser interrompido.

EMI_4546O coletivo de barcaça é comboio. Um comboio é levado por um empurrador. Como se fosse uma locomotiva hídrica que empurra ao invés de puxar.

Depois de um dia longo de trabalho, saímos para jantar em um restaurante que o Rodrigo tinha sugerido. Era domingo, pegamos um táxi e fomos salivando comer um peixe na beira do Rio Madeira. Fechado. O motorista nos sugeriu um outro restaurante. Fechado também. Terceira opção, vazia e escura. Acabamos nos rendendo uma barraca/restaurante em uma praça cheia de gente. No anuncio do lado de fora dizia que vendiam picanha na chapa. Antes tivesse fechado.

Quinto dia: passando por buracos para chegar em Rondônia

Vilhena, Rondônia. “Longe é quando você está parado. À partir do momento em que você sai, já começa a ficar perto”. Essa foi a resposta do nosso motorista, Tadeu Roberto Antunes naquela manhã. Com mais de 30 anos de estrada, Tadeu já ‘puxou carreta’, como eles mesmo dizem, por quase todos os estados do Brasil, sem contar outros países latinos que ele se orgulha de falar. “As argentinas são frias. Bom mesmo é lá no Chile. Na fronteira com a Colômbia conheço uns policiais…. e assim vai”.

EMI_3392

Acordamos cedo na cidade que faz fronteira do Mato Grosso com Rondônia. Nosso plano era chegar em Porto Velho ainda no mesmo dia, quem sabe até anoitecer ou até o caminhoneiro dizer que não aguentava mais. Bom, com a pouca experiência que eu adquiri viajando e conversando com alguns deles, imaginei que a segunda alternativa seria quase impossível. Ele aceleraria, mas, acho eu, não pediria para parar. Para chegar até nosso destino final, teríamos que atravessar o estado inteiro, mais de 700km em um dia. Com o asfalto péssimo, nossa viagem se tornava um pouco mais perigosa e mais longa. Diferente de Milionário e Zé Rico que “nessa longa estrada da vida, vou correndo e não posso parar”, tivemos que parar.

A BR 364 é única ligação rodoviária entre Cuiabá e Porto Velho, em torno de 1500kms de estrada recheada de buracos, crateras e caminhões quebrados. Não tem sequer uma pessoa que elogie esse trecho, nem mesmo o borracheiro Edson de Oliveira, que tira seu sustendo da “desgraça alheia”. Quando perguntado se a reforma da BR não afetaria o seu lucro afirmou que não, porque essa BR é a única via para a capital de Rondônia. No entanto, “a gente não pode querer só para a gente, tem que ter melhoria para quem está trabalhando na estrada também”.

Nossas paradas deveriam ser rápidas para almoçar e, eventualmente, tomar um lanche no meio do caminho. Claro que isso não aconteceu, ainda mais depois que soubemos que nossa partida de Porto Velho seria somente dali dois dias. Tínhamos tempo. Daria para conversar com pessoas que vivem e trabalham na beira da estrada.

Pouco antes de cruzar a Ponte do Rio Jamari, no município de Alto Paraiso, RO, a estrada estava bloqueada. Descemos do caminhão e fomos ver o que estava acontecendo. Na verdade, era somente uma obra de restruturação da ponte.

EMI_4416

Sentado na sombra, com chapéu e bota de boiadeiro, estava Aparecido Cruz, um jovem de 28 anos de Presidente Médici, RO. Com um monte de CDs na mão, ele estava esperando que a fila aumentasse para poder promover a dupla sertaneja que ele “estava empresariando”, Moraes e Montenegro. Alguns meses atrás ele vendia água de côco na beira da estrada. “Eu ganhava entre R$ 500 e 600 por semana. Agora, com esses CDs já cheguei a ganhar até R$ 1000. Melhor, né?”

EMI_4436 EMI_4399

Ao som de Sergio Reis, estamos de passagem, “abre a porteira, conforme for para pernoitar. Se a gente é boa, hospitaleira, a comitiva vai tocar. Moda ligeira é uma doidera”.

Dormimos em Ariquemes, RO.